terça-feira, setembro 06, 2005

Leituras Liberais

Não existe Povo.
A arma do pobre é o Liberalismo

HENRIQUE RAPOSO

1. Ontem, no “Prós e Contras”, Helena Matos contou uma pequena mas perturbadora estória. Uma estória que ilustra, simbolicamente, a História actual de Portugal. Aqui fica: numa escola (ou numa região educativa) existiam 900 meninos deficientes. Uma comissão averiguou a situação e chegou à seguinte conclusão: apenas 70 desses meninos sofriam de efectivas deficiências. Então, por que razão havia tantos miúdos “artificialmente” deficientes? Resposta: os meninos deficientes têm explicações de borla… Ou seja, várias centenas de pais obrigam os seus filhos a “passarem-se” por deficientes para receberem explicações grátis.

2. Eis o pior do estado social. Em situações deste tipo, os portugueses têm a tendência para criticar apenas as pessoas. E estas pessoas devem ser, de facto, criticadas. Mas nunca se aborda a base da questão. Por que razão as pessoas fazem aquilo? Porque podem. Simples. Não há nenhuma explicação metafísica transcendente ou teluricamente portuguesa (a chico-espertice não é monopólio português). O estado social permite estas trafulhices. O estado social, como qualquer concepção utópica, parte de um pressuposto que não existe na História real. O pressuposto angelical é este: O Homem é bom e honesto.

3. Mas a coisa é mais grave do que isso. Quem defende o estado social não fala em homens; não fala em indivíduos. A sua maneira de ver o mundo é mais... monolítica. É uma cosmovisão que não suporta as impurezas do mundo real; não suporta o pó daquele mundo feito por homens, aqueles seres que insistem em não ganhar asas. Não. A sua mundividência tem ser pura, una, perfeita no papel. Daí usarem o velho e unificador termo Povo. Uma massa anónima que nunca ninguém definiu muito bem. E sabem porquê? Porque o dito Povo não existe na realidade. É uma ficção ideológica. Um produto que serve de cobaia para aqueles que julgam ter o Bem.

4. Aqueles que usam o Bem são aqueles que cantam - encantados com a sua própria voz - a concepção optimista do Homem. Como se fossem santos na protecção de um rebanho inocente. Aqui, o Povo, o dito rebanho, tem de ser protegido dos homens maus – aqueles que não querem estar cobertos pela lã lamacenta da utopia. Na História, a Teoria optimista serve de legitimação para projectos centralistas, que, claro, são sempre liderados por uma elite, os iluminados, os filósofos-reis, aqueles que zelam pelo cumprimento do Bem. O Bem, o Optimismo, a Irmandade originam isto: alguns a dominarem os restantes em completo regime de impunidade.

5. E quando algo corre mal? Quando o Bem não funciona? Ora, a culpa nunca é do sistema, mas sim das pessoas que não o compreendem. Pois, é precisamente o inverso: aqueles que construíram o sistema é que nunca compreenderam os homens, logo à partida. Vivem viciados numa concepção de Homem, a sua. O Diogo B. Henriques, certa vez, colocou n' O Acidental um cartoon que resume na perfeição esta forma de estar. O cartoon visava a “Não” francês. No edifício da U.E., dois homens olhavam para baixo. Um diz: “nós até gostamos da Europa, não gostamos é destes europeus” (ou qualquer coisa assim).

6. Mais: a Justiça colectiva transforma-se em injustiça para o indivíduo. A dita moral do Bem colectivo transforma-se em amoral ao nível individual. Lá de cima, nas colinas da Utopia, nada se passa. Tudo parece que corre bem. O utópico só se vê a floresta. O utópico nunca desce da colina para averiguar o estado de cada árvore.

7. Nasci pobre. Até prova em contrário – pode ser que o meu cão descubra petróleo no quintal – serei apenas remediado. Sou uma das árvores que rejeita ser tratado como mera engrenagem de uma floresta mecânica e amoral. E digo para quem quiser ouvir: a arma do pobre é o Liberalismo. Porque não há Povo, mas milhões de indivíduos pobres que querem apenas uma coisa: mostrar o que valem numa sociedade que não seja aristocrática. O estado social criou uma rede de privilegiados dirigidos por elites de ferro. O estado social é outro ancien regime que será derrubado, mais cedo ou mais tarde, a bem (mudamos a tempo) ou a mal (esbarramos na parede e… a floresta incendeia-se), pelo liberalismo.
Indivíduos de Portugal, uni-vos.

9 Comments:

Blogger JagoZ said...

muito bom post , dá gosto vir aqui todos os dias , parabens e obrigado a todos .

9:40 da tarde  
Blogger Ismael said...

Costumo ler o Diário Ateísta, para onde convergem leitores de todas as orientações religiosas possíveis e imagináveis. Não consigo compreender como é que este blog não tem mais comentários, porque o seu ideário implica uma visão radicalmente diferente do Portugal que queremos para o futuro. Concorde-se ou não. Parabéns e continuem.

11:44 da manhã  
Blogger Claudio Tellez said...

Minha avó sempre conta de um chileno pobre e trabalhador que costumava dizer: "Não estou com a esquerda, estou com o capital, porque onde há capital, há trabalho."

Sim, é no Liberalismo que as pessoas deveriam se amparar. Mas décadas e mais décadas de propaganda e desinformação deram às ideologias esquerdóides um enorme poder de manipulação.

Abraços,
Claudio Téllez

7:05 da tarde  
Blogger Claudio Tellez said...

Ah, sim. Aproveitei para colocar um link para o Direita Liberal no meu http://claudiotellez.blogspot.com/

Abraços,
Claudio Téllez

8:11 da tarde  
Blogger Ricardo said...

Excelente.

1:05 da manhã  
Blogger andré said...

Se os pais até sacrificam a "honra dos filhos para beneficiarem de explicações de borla...então é porque ???????

Nada do vosso Blá Blá intelectualóide/sartriano de direita tem resposta para esta situação...

A malta não tem $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

com a média de ordenados nos 300 euros e é um pau todos os expedientes para economizar são licítos...............

Portugueses Unidos Na Vigarice Contra os Burguesinhos de Telheiras
Foz e Quinta da Beloura !!!!!!

4:01 da tarde  
Blogger andré said...

Mas qual Portugal com futuro ???

O Santana ( que nem é parvo ) deu

o sinal....esta maltinha é o

espelho direitista e cúmplice da

esquerdalhada que levou o país à ruína.....

4:03 da tarde  
Blogger andré said...

Mamaram estudos universitários de borla, pós graduações e anos sabáticos à nossa custa, médicos e mais que tal...e agora que têm o cu cheio o Estado Providência ( welfare State) já não presta é ???

4:04 da tarde  
Blogger Diogo Almeida said...

Parabéns por ter conseguido transmitir a importância da componente humana do liberalismo e da luta permanente com as teorias filosóficas de base centralista e planificadora.
Coloquei o vosso link no meu http://ideiaslivres.blogspot.com/
e tentarei estar no São Luís.

Cumprimentos,
Diogo Almeida

1:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home